Magazine do Xeque-Mate

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Em vídeo bomba, Ministro da Justiça Eduardo Cardoso destrói caluniadores da oposição! E ainda...Manipulações da Globo e Bob Fernandes em... Gatunaram R$ 557 milhões esse é o fato! E no final Bônus Limpinho e Cheiroso

Xeque  - Marcelo Bancalero

O excelente  artigo do Rede Brasil Atual, seguido vídeo do comentarista politico Bob Fernandes, e o magnífico cala boca que o Ministro da Justiça, José Eduardo Cardoso, deu na oposição, dispensam qualquer acréscimo deste blogueiro.
As análises do Rede Brasil Atual e Bob Fernandes já são um prato cheio...
Mas o cala boca do ministro Eduardo Cardoso...
Vale cada segundo do vídeo!
Só um petisco... Cardoso diz que querem transformar uma investigação séria, em debate politico. Ele termina o vídeo afirmando, que irá processar  todos os que o caluniarão, difamaram, xingaram... E a qualquer um que se atreva a incriminá-lo judicialmente. 


Uma pena que a população prefira a  desinformação da VEJA e outras lixoteraturas ao invés de buscar nas mídias alternativas como a Rede Brasil Atual entre outros, diferentes perspectivas das noticias, para somente depois, decidir por sua própria conclusão e não de terceiros.
Uma pena que só sabem conversar e se posicionar sobre algum assunto... Se receberem da Rede Globo, os parâmetros da verdade "globalizada", que com eficácia desta emissora, transforma temas complexos em jargões práticos. Como fizeram com o tal do "mensalão", com um discurso pronto, na medida... Onde na mistura deste bolo, inicialmente  40 ingredientes divididos entre gente inocente e culpados, assim... Tudo junto e misturando. Se perguntar a essa gente,que  se alimenta deste tipo de desinformação, quem são os réus condenados do mensalão... Só se lembrarão dos nomes petistas.
E se mudando de canal, pra fugir de algum comercial, esse cidadão globotizado, passar pela TV Gazeta, justamente quando o comentarista Bob Fernades estiver em uma de suas estupendas análises... Ficará completamente confuso,não entenderá nada...
Normal!
Pois como compreenderia o comentário ou análise de um assunto, que desconhece...
Afinal, se não foi capa do jornal, não saiu na VEJA,  e a Rede Globo não mostrou...
Não deve ser importante... Pensa o pobre ser globotizado.

Parabéns pra você que foi  contra a PEC 37 sem saber do que se tratava... Agora veja por que ela era importante... O PSDB disse que o Ministro deveria ter mandado a Procuradoria investigar... Se tivesse feito isso... Seria mais um processo a ser engavetado como tantos outros do PSDB, DEM ... Se não for preto,pobre, puta ou petista... Eles não fazem nada! Parabéns MINISTRO EDUARDO CARDOSO!

Assista  aos vídeos e leia;







Globo manipula noticiário sobre denúncias envolvendo tucanos

por Helena Sthephanowitz publicado 27/11/2013 12:42, última modificação 28/11/2013 17:10
ALESSANDRO CARVALHO/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS PSDB-MG
aecio.jpg
Aécio Neves, na visão da Globo, saiu-se melhor no debate em que mostrou não ter argumentos contra quem acusou
Jornal Nacional da TV Globo de terça-feira (26) teve uma, digamos assim, recaída na edição de um debate político que se deu em duas entrevistas coletivas diferentes.
De um lado, o senador Aécio Neves e a cúpula do PSDB convocaram repórteres para acusar o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, de fazer dossiês políticos contra adversários, por causa do aparecimento de nomes de altos tucanos paulistas como supostos beneficiários do esquema de propinas por licitações combinadas do Metrô e da CPTM. O esquema foi confessado por executivos de multinacionais como Siemens e Alstom, escândalo que ganhou o apelido de "trensalão".
Do outro lado, o ministro Cardozo também convocou a imprensa, mas para rebater as acusações feitas por Aécio. Ao seu lado estavam o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, e o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Vinicius Marques de Carvalho.
Pois o telejornal da Globo selecionou "os melhores momentos" de Aécio, e os "piores momentos" de Cardozo. Na edição que foi ar, as críticas mais contundentes de Aécio foram as escolhidas para serem levadas ao público. Já a declaração mais contundente de Cardozo, em que ele disse "... a época dos engavetadores gerais de denúncias já acabou no Brasil há alguns anos. E eu me recuso a ser um engavetor geral de denúncias" foi suprimida peloJornal Nacional, que mostrou apenas as partes mais insossas do que foi dito pelo ministro.
Citamos recaída, porque existe precedentes que vêm, por exemplo, do episódio já fartamente conhecido e admitido da edição do debate nas eleições presidenciais de 1989, entre Lula e Collor em que a emissora manipulou as imagens e contribuiu decisivamente para a eleição deste último.
Na mesma edição de terça-feira, outra estranheza: não foi noticiada a apreensão de 450 quilos de cocaína em um helicóptero da empresa do deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG), filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG). Afinal não é todo dia que se vê um helicóptero da família de um senador ser flagrado pela polícia com carga tão exótica.
A TV Record correu atrás da notícia, entrevistou o advogado do piloto Rogério Almeida Antunes que, preso, contradisse a versão do deputado de que a aeronave teria sido usada sem seu conhecimento. O piloto afirmou que fez duas ligações para Gustavo Perrella e foi autorizado a transportar a carga, oferecendo o sigilo telefônico como prova. Alega porém ter sido informado que seriam implementos agrícolas e que o deputado também não sabia tratar-se de drogas.
Os problemas do deputado Perrella não se resumem ao incidente. Descobriu-se que o piloto foi nomeado para um cargo na Assembleia Legislativa mineira. Segundo o que disse o advogado, seu cliente era um funcionário fantasma no serviço público, pois não comparecia ao trabalho no Legislativo, ficando à disposição da empresa Limeira Agropecuária, de propriedade do deputado, como piloto. Gustavo Perrella confirmou a nomeação dizendo que o havia demitido na segunda-feira.
Não se sabe dos bastidores que levaram a Globo a esconder uma notícia que, se envolvesse integrantes do PT, por exemplo, dificilmente deixaria de noticiar. O que se sabe é que o senador Zezé Perrella é do grupo político do senador do PSDB Aécio Neves. Chegou ao senado como suplente de Itamar Franco, eleito com apoio do tucano nas eleições de 2010.
Zezé Perrella foi presidente do Cruzeiro Esporte Clube e ainda é influente entre os atuais cartolas do time. A TV Globo mantém negócios regulares com o Cruzeiro pelos direitos de transmissão dos jogos de futebol – interesses ampliados agora que o time mineiro disputará a Copa Libertadores no ano que vem.
Voltando a falar em recaídas, lembremos que a emissora também blindou durante muito tempo o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira contra denúncias de corrupção em sua gestão. Em entrevista à revista Piauí, Teixeira disse que chegou a retaliar a Globo, mudando o horário de jogos da Seleção Brasileira para atrapalhar a grade de programação, quando a emissora divulgava notícias contra ele.
Enfim, a emissora dos Marinho acrescenta mais um item à coleção de fatos a explicar à opinião pública e sobre que justificativas encontra para omitir informações relevantes sobre políticos com os quais mantém relações.
Assista também;


Bônus Limpinho e Cheiroso

Trensalão: Ex-diretor da Siemens aponta caixa 2 de PSDB/DEM e cita membros da cúpula tucana

Metro_Siemens128_PSDB_DEM
Ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer denuncia formalmente ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica um forte esquema de corrupção nos governos do PSDB em São Paulo. Segundo ele, Edson Aparecido, braço direito do governador Geraldo Alckmin e hoje secretário da Casa Civil, recebeu propinas das multinacionais entre 1998 e 2008. O propinoduto na área de transportes, segundo Rheinheimer, visava abastecer o caixa 2 do PSDB e do DEM. Ele apontou ainda corrupção nos governos de José Serra e Mario Covas. Outros nomes citados são dos secretários José Aníbal, de Energia; Jurandir Fernandes, de Transportes; Rodrigo Garcia, de Desenvolvimento Econômico; e até do senador Aloysio Nunes e do deputado Arnaldo Jardim.
É quase um strike. Um relatório entregue no dia 17 de abril deste ano ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica cita praticamente toda a cúpula do governo de Geraldo Alckmin no chamado propinoduto tucano. A denúncia, formal, foi feita por Everton Rheinheimer, ex-diretor da Siemens, que afirmou dispor de “documentos que provam a existência de um forte esquema de corrupção no Estado de São Paulo durante os governos (Mário) Covas, (Geraldo) Alckmin e (José) Serra, e que tinha como objetivo principal o abastecimento do caixa 2 do PSDB e do DEM”.
O furo de reportagem, dos jornalistas Fernando Gallo, Ricardo Chapola e Fausto Macedo, de O Estado de S.Paulo (leia aqui), aponta que o lobista Arthur Teixeira, denunciado por lavagem de dinheiro na Suíça, teria pago propinas ao deputado licenciado Edson Aparecido, atual secretário da Casa Civil e braço direito de Geraldo Alckmin. O documento também cita outros nomes graúdos do tucanato paulista, como os secretários José Aníbal, de Energia; Jurandir Fernandes, dos Transportes; e Rodrigo Garcia, de Desenvolvimento Econômico. Outros nomes mencionados pelo ex-diretor da Siemens são o do senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB/SP) e do deputado Arnaldo Jardim (PPS/SP) – este, também como beneficiário das propinas.
A denúncia do ex-diretor da Siemens tem peso importante porque é o primeiro documento oficial que vem a público com referência a propinas pagas a políticos ligados a governos tucanos. Até então, apenas ex-diretores de estatais como a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) vinham sendo citados. Rheinheimer foi diretor da divisão de transportes da Siemens, onde atuou durante 22 anos. Ele disse ainda que o cartel “é um esquema de corrupção de grandes proporções, porque envolve as maiores empresas multinacionais do ramo ferroviário como Alstom, Bombardier, Siemens e Caterpillar e os governos do Estado de São Paulo e do Distrito Federal”.
No Distrito Federal, os desvios teriam ocorrido nos governos de Joaquim Roriz e José Roberto Arruda. Em São Paulo, ele cita os governos de Geraldo Alckmin, José Serra e Mario Covas. O fluxo das propinas ocorria por meio da empresa Procint, do lobista Arthur Teixeira, finalmente denunciado na Suíça, após dois anos de engavetamento do caso pela procuradoria-geral da República em São Paulo, por decisão do procurador Rodrigo de Grandis (leia maisaqui). Rheinheimer está colaborando com a Justiça, no regime de delação premiada. Sobre Edson Aparecido e Reynaldo Jardim, ele sustenta que “seus nomes foram mencionados pelo diretor-presidente da Procint, Arthur Teixeira, como sendo os destinatários de parte da comissão paga pelas empresas de sistemas (Alstom, Bombardier, Siemens, CAF, MGE, TTrans, Temoinsa e Tejofran) à Procint”.
Sobre o senador Aloysio Nunes e os secretários Jurandir Fernandes e Rodrigo Garcia, o ex-diretor da Siemens diz ter tido “a oportunidade de presenciar o estreito relacionamento do diretor-presidente da Procint, Arthur Teixeira, com estes políticos”. Sobre José Aníbal, mencionou um assessor: “Tratava diretamente com seu assessor, vice-prefeito de Mairiporã, Sílvio Ranciaro.”
***   
Leia também:

Imagem de Perly Cipriano

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido