Magazine do Xeque-Mate

domingo, 28 de dezembro de 2014

Filhos do Bolsa Família, viúva de Campos e Aécio - E ai... Quem precisa aprender a pescar hein?

 Xeque - Marcelo Bancalero

Seguindo a sugestão da amiga Helena Pahl, que me deu a dica dessa postagem, e ainda com a postagem da página Política no Face II que nos levou a uma reflexão com as palavras abaixo;
"Depois do ranking da Veja que escolheu Aécio Neves o pior senador do país, que tal rever seus conceitos sobre vagabundagem?"

Resolvemos dar uma ajudinha com três artigos que embasam essa postagem...
E deixamos com o leitor a  incumbência de decidir quem precisa aprender a pescar...
Ou a votar... Decida isso também!

Obs: Usamos no terceiro artigo, uma matéria da revista Època (organizações Globo) , para defender o Bolsa Família

Leia;

24/12/2014 - VIÚVA DE CAMPOS VAI RECEBER R$ 16,8 MIL MENSAIS E CADA FILHO R$ 3,3 MIL PAGOS PELA CÂMARA 


A partir de agosto de 2015, a viúva do ex-governador Eduardo Campos, Renata Campos, e três dos quatro filhos do casal (Pedro, José e Miguel, que têm menos de 21 anos) vão receber pensões da Câmara dos Deputados. A decisão, publicada na edição da última segunda-feira do Diário Oficial da União (DOU), estima que Renata receba, de forma vitalícia, o equivalente a 50% dos proventos a que Campos teria direito. Já os filhos devem receber o equivalente a 10% cada, a título de pensão temporária.  A publicação no DOU não deixa claro qual será o valor exato a ser recebido pela esposa e filhos do ex-governador, mas se o benefício for calculado em cima do reajuste aprovado recentemente, que eleva o salário dos deputados federais para R$ 33,7 mil, Renata deve receber R$ 16,8 mil mensais. Já os filhos receberiam R$ 3,3 mil, cada um.  (fonte JORNAL de CARUARU) 


27 dezembro 2014

Aécio nota zero. "Veja" rifa o playboy!


Altamiro Borges, Blog do Miro 

"Não é para menos que o cambaleante Aécio Neves anunciou, em entrevista à Folha nesta semana, que "já cumpri meu papel" e que o governador Geraldo Alckmin deve ser o candidato do PSDB em 2018. Além da sua dupla derrota – na corrida presidencial e namanutenção do governo de Minas Gerais –, o senador sabe que não conta com a simpatia da oligarquia nativa. Ele é visto como um playboy sem condições de governar o país. A elite até o apoiou, no seu ódio ao lulopetismo, mas ele "já cumpriu o seu papel" e pode ser descartado. O "Ranking do Progresso", publicado nesta semana pela "Veja", sinaliza que ele já virou bagaço. Passado o pleito, ele recebeu nota zero do panfleto da direita nativa." 
Pela quarta vez consecutiva, a revista da marginal publica seu "Ranking do Progresso" do ano – "uma avaliação objetiva do desempenho dos senadores e deputados – que, no conjunto, tratam o país com seriedade". O estudo é realizado em parceria com o Núcleo de Estudos sobre o Congresso (Necon), do Instituto de Estudos Sociais e Políticos daUniversidade do Estado do Rio de Janeiro (Iesp-­Uerj). Os critérios de escolha seguem a linha editorial da publicação da famiglia Civita – em defesa do "livre mercado" e do "Estado mínimo", o que inclui a redução da carga tributária e dos direitos trabalhistas. Nem por estes critérios neoliberais o cambaleante Aécio Neves foi aprovado. Ele recebeu nota zero – ficando em último lugar na lista – abaixo dos senadores Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que obteve nota 0,13, e Cristovam Buarque (PDT-DF) , que recebeu nota 0,33.
.
Nos três anos anteriores, o tal "ranking" visou destacar a "presença de uma resistência oposicionista de qualidade", conforme confessa a revista. "Registramos que os parlamentares que sobressaíram como defensores de propostas condizentes com o aumento da competitividade e da modernização da economia brasileira, de novo, segundo os parâmetros de Veja e da Editora Abril, eram basicamente políticos eleitos por partidos de oposição (em especial PSDB e PPS, e alguns do novo PSD, egressos do DEM)". Já na avaliação do desempenho em 2014, a revista levou em conta o "calendário eleitoral" – que resultou em um número relativamente baixo de deliberações no Congresso. "Diante da escassez legislativa, aumentou o peso de pequenas ações dos senadores e deputados. Um simples discurso ou uma votação em plenário podem ter sido decisivos na definição do lugar do congressista no ranking da Veja".
.
Mesmo com esta nuance, Aécio Neves recebeu nota zero! Além de não apresentarprojetos, o senador mineiro-carioca não comparece ao Congresso Nacional. Isto confirma sua fama de playboy, de quem prefere utilizar as passagens pagas do Senado para curtir sua baladas no Rio de Janeiro. "Estar em plenário e votar mal, vale dizer, na contramão daquilo que a revista e a Editora Abril consideram decisivo para a modernização do Brasil, conta, e muito, para que o senador ou deputado em questão desabe no ranking". O estudo não contabilizou a atuação parlamentar em dezembro – talvez Aécio Neves ficasse no negativo, devendo alguns pontos. Mas o cambaleante não tem o que reclamar da revista. Ela evitou divulgar uma prévia da pesquisa em outubro para não prejudicá-lo na eleição. Agora, ele "já cumpriu seu papel". Tchau, playboy!"

27/12/2014 15h26 - POR CRISTIANE BARBIERI (TEXTO) E GUILHERME ZAUITH (FOTOS), DE HUMBERTO DE CAMPOS (MA) E ITAOCA (SP)

OS FILHOS DO BOLSA FAMÍLIA

COMO VIVE A PRIMEIRA GERAÇÃO DE CRIANÇAS BENEFICIADAS PELO PROGRAMA. E O QUE FALTA FAZER PARA AMPLIAR A INCLUSÃO SOCIAL NO BRASIL


Carlos André, Miguel e Osmar, do Periá: mães sonham em vê-los doutores mas, por enquanto, eles falam mesmo é da merenda (Foto: Guilherme Zauith)
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)















Era para Regia Silva de Sales ter sido uma criança do Bolsa Família. Em vez disso, virou mãe do programa: fugiu de casa aos 12 e teve a primeira filha aos 13. Só que, como era menor de idade, o cartão do benefício saiu no nome do companheiro. Ele, basicamente, usava o dinheiro para beber. Regia teve mais três filhos e perdeu outro, de tanto apanhar. Pesava 38 quilos. “Era fome, mesmo”, diz ela. “Meus pais perguntavam por que eu estava tão magrinha e eu dizia que era miúda, mas eu tinha vergonha de dizer que não tinha comida em casa.” O que pescava ou os R$ 20 que ganhava pelo dia de faxina no povoado de Periá, onde mora, iam para a comida dos filhos. Há quatro anos ela se separou e, há quase dois, recuperou a titularidade do cartão. Hoje, aos 26 anos, chegou aos 50 quilos e recebe os visitantes com um sorriso aberto, carinho e um jogo de cadeiras coloridas, de plástico, conquista recente da qual se orgulha muito.
Para ela, cada um dos R$ 371 mensais que recebe do Bolsa Família fazem toda a diferença e, como todos sabem, sua história está longe de ser única. Hoje, são 14 milhões de famílias beneficiárias e 50 milhões de atendidos pelo programa. Ou 25% dos brasileiros, que deixaram de lado realidades miseráveis e, basicamente, têm vidas melhores, como mostram pesquisas das mais diferentes fontes e espectros. Ao olhar os números, no entanto, é possível perceber que, mais do que os pais, os verdadeiros beneficiados pelo programa são os filhos do Bolsa Família. São eles que estão mais escolarizados, são mais cuidados pelo sistema de saúde, têm menos irmãos e estão até mesmo ficando mais altos do que os pais (leia quadros abaixo). São eles também que formarão boa parte da massa dos consumidores, dos funcionários das empresas e dos eleitores futuros, de quem os candidatos à presidência lembram-se todos os dias.
Não é de estranhar, portanto, que todos os candidatos, de todos os partidos, tenham reiteradas vezes garantido que o Bolsa Família será mantido. Porém, após uma viagem de 6,5 mil quilômetros visitando cidades do interior de São Paulo e do Maranhão, em que a população depende do programa, é fácil concluir que não basta mantê-lo. É preciso avançar, adaptá-lo à nova realidade das comunidades – que inclui êxodo de jovens em busca de oportunidades, dificuldades de competir por trabalhos melhores e o medo de perpetuar a situação que levou seus pais a depender do Bolsa Família.
Saneamento ainda é uma das áreas mais precárias da infraestrutura: quase 60% das famílias vulneráveis não têm esgotamento sanitário
Em Humberto de Campos e em seu povoado de Periá, onde mora Regia, quase dois terços da população vive do programa, no estado mais dependente do Bolsa Família, o Maranhão. Na cidade de Itaoca, e em sua comunidade quilombola de Cangume, no Vale do Paraíba, região mais pobre do estado de São Paulo, quase 40% das famílias recebem o benefício. Nos dois lugares, não há dúvida de que as dificuldades dos filhos são menores do que as de seus pais com sua idade. A realidade da fome, repetida por todas as mães entrevistadas no Maranhão, e a da roça desde a primeira infância, das mães de Itaoca, não aparece no relato dos filhos. As crianças também têm dentes bonitos e brancos, o que nem sempre acontece com as mães. Os cadernos geralmente estão em seus braços uniformizados, no caminho para a escola, muitas vezes feito em ônibus escolares novos.
Regia mostra com carinho o caderno de desenhos da filha mais velha, Raíssa, de 12 anos. A menina é talentosa. Desenhou, entre muitas cenas do cotidiano, um irmão como cirurgião, outro como professor. Aliás, ver o filho doutor é o discurso mais repetido e sonhado pelas mães do Periá. A vizinha de Regia, Sildilene Santos, de 31 anos, também tem uma história sofrida e fala com orgulho que todos os seus seis meninos querem ser alguma coisa na vida – o Osmar, de 9 anos, adoraria tocar flauta. Já Célia de Freitas Souza, moradora de Humberto de Campos, tomava conta dos 13 irmãos, para os pais irem pescar. Passou a ir com eles aos 12 e, até há pouco, apanhava mariscos. Teve três filhos e diz, orgulhosa, que Vanessa, de 13 anos, foi a única selecionada da classe para a Olimpíada de matemática.
Sim. A vida está melhor. Mas o futuro melhor ainda não é uma garantia. Nem há como negar que existe insatisfação e até mesmo certa desesperança no ar, sobretudo quando se conversa com os mais velhos, que estão para concluir o ensino médio. Exatamente a geração que está há dez anos sendo criada pelo Bolsa Família. Alguns deles, inclusive, há mais tempo, já que seus pais recebiam os outros benefícios, que deram origem ao programa. “Se eu tenho uma vida melhor do que a minha mãe? Não”, responde, com a crueza de seus 18 anos, Débora Rosa de Oliveira, de Itaoca. “Não fui para a roça com 10 anos, mas não sou boa aluna e sei que meu ensino foi fraco.” Sua expectativa, depois de terminar o ensino médio no fim do ano e de sair do emprego de babá, é mudar para Sorocaba, onde espera conseguir trabalho. Provavelmente, não haverá um vestibular, ou emprego, que transformará sua realidade de forma contundente tão cedo.
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)

Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
Um programa de alto retorno...
O Bolsa Família é um programa impressionantemente bem estruturado. São 200 mil profissionais dos governos federal, estaduais e municipais conectados numa rede que envolve Ministério do Desenvolvimento Social, da Educação e da Saúde, além de estados e prefeituras. Estão aptos a se tornar participantes do programa quem tem renda de até R$ 154 mensais por integrante de famílias com filhos, e de R$ 77, no caso de casais sem filhos. Seu recebimento está condicionado à presença na escola – de 85% das aulas, para crianças de 6 a 15 anos, e de 75%, para quem tem entre 16 e 17 anos – e ao acompanhamento no sistema de saúde. Estima-se que ainda existam 300 mil famílias que atendam aos critérios, mas não recebem o benefício. O Bolsa Família também é um programa barato. Ele custa por volta de 0,5% do PIB, enquanto a Previdência Social, por exemplo, movimenta 6%. Com um efeito econômico muito importante: com beneficiários tão pobres, todo o dinheiro injetado ali vira consumo e não poupança. Cada R$ 1 investido no Bolsa Família torna-se R$ 1,78 no PIB, com numerosas externalidades positivas. Nas aposentadorias, o R$ 1 vira R$ 0,52. “O Programa Bolsa Família é, por larga margem, a transferência com maiores efeitos [...] na atividade econômica”, escreveram Marcelo Neri, Fabio Monteiro Vaz e Pedro Herculano de Souza, num dos capítulos de um amplo estudo do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) sobre os dez anos do programa, publicado no fim do ano passado.

Nos municípios com alta cobertura do Bolsa Família, a mortalidade geral das crianças caiu 17%, sendo que as causadas por desnutrição diminuíram 65%  e as provocadas por diarreia recuaram 53%
O Bolsa Família também é parte do sistema do Cadastro Único, uma relação de todas as famílias de baixa renda do país, que ganham até meio salário mínimo per capita ou têm renda total de até três mínimos. São 87 milhões de cadastrados. Além do Bolsa Família, estão lá o Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais e o Pronatec (Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego) Brasil sem Miséria, com prioridade aos participantes do Bolsa Família. Essas – e outras iniciativas – procuram dar saídas ao programa, que também tem em suas condicionalidades trabalhos feitos por centros de referência social. Eles tentam fortalecer vínculos familiares e sociais e aumentar o acesso à cidadania para quem vive em situação de risco.
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
...mas longe de consolidado
Porém, as iniciativas de saída do Bolsa Família para os jovens não estão consolidadas. “A busca pelos cursos do Pronatec é dez vezes maior do que a oferta”, diz Jadeson Carlos da Silva, coordenador do Centro de Inclusão Digital de Humberto de Campos, que faz o acompanhamento do Pronatec na cidade. Tereza Campello, ministra do Desenvolvimento Social, reconhece que é preciso crescer. “Não dá para fazer mágica, mas começamos a mudar essa roda: até a gestão Lula, o governo federal era proibido por lei de oferecer cursos técnicos”, diz ela. “Revogamos essa lei  e oferecemos 1,4 milhão de vagas em 2014.” O objetivo é chegar a 12 milhões de vagas até 2018. Mas, só no Bolsa Família, são 25 milhões de jovens até 18 anos, dos quais 17,5 milhões estão na escola. “Estamos agora mapeando as demandas regionais no Brasil por tipo de mão de obra, para que existam tratoristas e soldadores habilitados, por exemplo, na época em que as grandes obras precisarem”, afirma Tereza. “Não adianta só oferecer vaga de auxiliar administrativo e cabeleireira, porque temos de melhorar a produtividade do país como um todo.” Ela também fala dos programas de crédito ao microempreendedor e de estímulo ao pequeno produtor rural. Hoje, 30% da merenda do Bolsa Família tem de ser comprada da comunidade. “Comprar comida localmente é tudo de bom: saudável, fresco e estimula a economia”, diz Tereza. “Mas ainda tem prefeitura que compra aquele pó rosa e dá uma papa para as crianças, em vez de arroz, feijão, fruta, suco. Temos de mudar essa realidade.”

Para a geração que, como Débora, está se formando agora, e em cidades com pouca atividade econômica, a rodoviária parece ser a única porta de saída. Adolescentes também começam a reproduzir o ciclo das mães, engravidando cedo: saem do programa como filhas e entram nele como as mães dos netos do Bolsa Família. Somada à baixa qualidade da educação, que dificulta a competição num vestibular ou a obtenção de uma vaga mais qualificada, chega-se a uma equação ainda inconclusa.
Clique na imagem para ampliar (Foto: Guilherme Zauith)
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
A preocupação evoluiu
“Quando o Bolsa Família e os programas que o antecederam foram lançados, as preocupações eram com educação e saúde”, diz Ana Fonseca, do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas da Unicamp, por e-mail. “Na América Latina, vivemos um momento especial com ações, políticas e programas destinados à superação da pobreza, como o Plano Brasil sem Miséria. Já não se trata de transferências monetárias exclusivamente, mas das transferências combinadas com inclusão produtiva e acesso a serviços.”

É uma mudança gradual. Um dos capítulos do estudo do Ipea mostra que as crianças do Bolsa Família têm desempenho pior do que as outras: no 5º ano, elas repetem mais, têm mais dificuldades em conseguir notas boas, abandonam mais a escola e são mais velhas do que deveriam. Como vêm de comunidades muito pobres, contam com menos recursos e têm pais menos educados a incentivá-las nos estudos. Porém, quanto mais tempo ficam na escola, menor a diferença entre elas: no 9º ano, a desvantagem entre os dois grupos é muito pequena, sendo que os beneficiários do programa revertem sua posição em relação à evasão escolar.
“A participação no programa pode contribuir para a diminuição dessa diferença de desempenho entre alunos”, escreve Joana Silva, economista sênior do Banco Mundial e coautora da pesquisa, por e-mail. “[Ele] tem uma associação positiva com a manutenção do aluno beneficiário na escola, ajusta sua trajetória escolar, aproximando seu desempenho do resto do país e, em algumas condições, ultrapassando-o, e contribui para diminuir a desigualdade educacional.” Em avaliações sobre o programa citadas por ela, a probabilidade de uma jovem de 15 anos frequentar a escola aumenta em 21%, na comparação com outras em mesmas condições e sem o programa.
O governo quer oferecer 12 milhões de vagas no Pronatec entre 2015 e 2018. Mas, só o Bolsa Família tem 25 milhões de beneficiários de até 18 anos, sendo que 17,5 milhões são estudantes
Resolvido o problema da presença da criança na escola, emerge o da qualidade do ensino. Para Priscilla Tavares, professora da Escola de Economia da FGV-SP, o que é possível fazer hoje é incluir as crianças. “Ao colocar na escola e atuar sobre sua saúde, a intenção é quebrar o ciclo de pobreza”, diz ela. “Mas é muito cedo para dizer se a criança beneficiária terá um emprego melhor.” Isso porque, mesmo com os esforços de inclusão, o Brasil vai mal em termos de educação, com as notas do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) estagnadas ou caindo. “A questão da qualidade da educação é urgente, mas ela existe independentemente do Bolsa Família”, diz. “É melhor a criança frequentar essa escola do que não frequentar escola nenhuma.”
Lucy Mary Barros Fonseca, secretária de assistência social de Humberto de Campos, diz que vê pouco interesse dos alunos pelo aprendizado: a escola é encarada apenas como “fonte de receita” e os beneficiários se mostram desestimulados. “Há uma ociosidade grande e falta a família na escola”, diz. Para ela, uma alternativa seria atrelar o recebimento do Bolsa Família à melhoria das notas. Para Priscilla Tavares, da FGV, seria inútil. “Há professores que não dão faltas porque não querem alunos perdendo o Bolsa Família, e o mesmo aconteceria com as notas”, diz ela. “Além disso, colocar essa responsabilidade sobre a criança pode ser uma tragédia.” Joana Silva, do Banco Mundial, lembra que o Renda Melhor Jovem, do Rio de Janeiro, dá um prêmio adicional, associado ao bom desempenho.
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
“Se eu penso em sair? Todos os dias”
Além da urgência na melhora da educação, o avanço na atividade econômica dos municípios vai além do escopo do Bolsa Família, é claro. “A geração de oportunidades [de emprego e renda] torna necessária a complementação do programa com outras iniciativas para o desenvolvimento local”, escreve Joana Silva. Ao que Larissa Cristina da Penha Brito, uma jovem falante de 19 anos de idade, que se formará no fim do ano no ensino médio, responde com a prática: “Se eu penso em sair de Humberto de Campos? Absolutamente todos os dias”, diz. Apesar de a cidade ser linda, no caminho dos Lençóis Maranhenses e com o maior Bumba Meu Boi do estado (são 12 pessoas embaixo do bicho), não há atividade turística estruturada. Os poucos empregos são os da prefeitura e do pequeno comércio local. “A maioria dos meus amigos sai mesmo”, diz Larissa. “Quem fica acaba ou tendo uma gravidez precoce ou ficando por aí, meio à toa.” Sua irmã Ana Carolina está saindo do cartão do Bolsa Família da mãe, Claudiana Pereira da Penha. Como a mãe, Ana Carolina ficou grávida aos 17 anos e ganhará seu próprio cartão do Bolsa Família. 

Mais de 20% das casas dos beneficiários no Norte e no Nordeste são feitas de taipa, madeira e palha. No Brasil,
o percentual é de 15,4%
Com 26 mil habitantes no município, o índice de beneficiados é de 110,2% do total de famílias pobres, segundo o Ministério do Desenvolvimento Social (os 10% a mais ocorrem porque o Bolsa Família estende a rede de proteção para abarcar a volatilidade da renda dos pobres e sua precária inserção no mercado de trabalho, causada, sobretudo, pela baixa qualificação). Pelas ruas da cidade, vê-se a presença de outros programas de transferência de renda. As placas estão no sindicato dos pescadores ou na secretaria de assistência social, que oferece informações, por exemplo, sobre a tarifa social de energia elétrica ou o telefone popular. O que não se vê são empreendedores. Os moradores dizem que é difícil encontrar encanadores, pedreiros e pintores. Sobre a qualificação para atividades do século 21, como programadores e designers, profissões que podem ser exercidas mesmo em cidades distantes, esbarra-se na qualidade da educação. “O ensino é fraco desde a educação básica e o pessoal tem dificuldade mesmo em acompanhar”, diz Jadeson Silva, do Pronatec.
O tamanho das famílias tem diminuído entre os beneficiários do programa. O número de filhos dos extremamente pobres foi de 2,7, em 2003, para 1,9 filho por família, em 2011
A 3,2 mil quilômetros de distância, Itaoca tem 3 mil habitantes e é igualmente bonita. Rodeado de montanhas e na região do Petar, o Parque Estadual do Alto Ribeira, tem cavernas que poderiam ser exploradas, mas a atividade turística também é praticamente inexistente. Lá, o número de benefícios vem caindo porque os jovens encontram alternativas de trabalho em municípios bem próximos, que também os obrigam ao êxodo. A cerca de dez quilômetros do centro da cidade, a comunidade quilombola de Cangume diminui ano após ano. “Aqui não tem ganho”, resume William Ramos Pereira, de 17 anos, um dos muitos que têm planos de deixar o lugar assim que se formar no ensino médio, no fim do ano. “Os meninos todos pensam em sair”, diz Iolanda Pereira Rosa Lima, de 41 anos. Seu filho mais velho mora em Tatuí, onde trabalha na fábrica da Sadia. Pedro, o do meio, espera seguir o mesmo caminho nos próximos meses. “Preocupa, né? A gente fica com o coração apertadinho.”
Os rapazes não escondem o medo da cidade grande e de sua violência, de não conseguir pagar o aluguel e de ficar longe dos seus. “No Natal é que é bom: vêm ônibus lotados com os filhos da gente”, diz Marisa Pereira Gonçalves. De seus dez filhos, apenas dois estão por perto e só Suzana, de 15, quer continuar no povoado. “Aqui é tranquilo”, diz ela. “Vou ficar, casar e ter uns dois filhos.” Para Ricardo Coimbra, economista pela Universidade Federal do Ceará, esse êxodo é complexo. “Esse jovem tem na comunidade apoio e não é sem sofrimento e dúvida que a escolha necessária de sair é feita”, diz.
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
  •  
Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)
Os votos do Bolsa Família
Do ponto de vista político, o jovem formando do Bolsa Família também reflete o benefício que recebeu. Se antes o programa impactava diretamente na escolha do candidato à presidência, nas últimas eleições esse peso vem perdendo força. “Discutimos política o tempo todo, na escola, na rua, em casa”, diz Larissa, que mora no centro de Humberto de Campos, numa casa arrumada e mais bem estruturada. “Vou votar na Marina porque gosto muito das propostas dela, principalmente as de educação. A Dilma vai ter de se virar nos 30!” Sua mãe rebate: “Vocês só vão votar nela porque o Eduardo Campos morreu. Vou é votar na Dilma”. Em lugares mais distantes, a discussão inexiste. “A gente tem de votar na candidata do Lula, né? Antes dele entrar não tinha essas coisas, que resolveram muito para a gente”, afirma Iolanda, do Cangume. “Se tirar eles [o partido do Lula], piora mais.” Mas o discurso fica ainda mais impressionante quando se vai mais longe, como no Periá. “Aqui, a gente não tem TV e não viu nada da política”, diz Sildilene. “Se alguém não me der os números [dos candidatos], vou anular.”


Inclusão (Foto: Guilherme Zauith)

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

SHARE THIS

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido