Magazine do Xeque-Mate

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Hei bebezão Aécio.... Pare de chorar! Você perdeu bebê playboy


Xeque - Marcelo Bancalero


É uma honra pra mim receber uma homenagem de um comp@ tão estimado  como é o amado Dom Orvandil Moreira Barbosa, um intrépido combatente das hostes malignas que tentam trazer o retrocesso a este país...
E ser citado um artigo em seu Cartas Proféticas, rebatendo o bebe chorão Aécio Neves, trás alem da honra um prazer imensurável. 

O “SEU” AÉCIO INFANTIL E SUAS COMADRES CHORONAS
Padrão
Aécio criminoso


O Brasil merece respeito. Nosso povo merece respeito e patriotismo. Nossos trabalhadores precisam de quem os defenda e com eles lutem e não de líderes de calúnias e de choros infantis. Gostamos de acarinhar nossas crianças quando choram, ou quando nossos doentes se fragilizam, mas líderes da enojação quando choram nos causam asco.


Amigo Psicólogo Marcelo Bancalero

Vivemos doloroso processo de organização do governo após o segundo turno, com a Presidenta Dilma reeleita.

Doloroso porque a eleição aconteceu numa conjuntura de embate grave quando forças ocultas atuaram e agem ainda para impor sua agenda com teor aviltante das conquistas de direitos sociais.

Desde que me conheço por gente eleição é coisa combativa. No meu Alegrete, lá no Rio Grande do Sul, os Partidos Libertador, de Raul Pilla e Trabalhista Brasileiro, de Getúlio, de Jango e de Brizola se enfrentavam em eleições como nas peleias “brabas” das coxilhas da Guerra dos Farrapos.

O Partidor Libertador, que de libertador só tinha o nome, era a organização que abrigava os ruralistas e latifundiários, com Paulo Brossard à frente. Dele saiu o maior número de apoiadores do golpe de 1964, que respaldaram a tentativa de melar a Constituição em 1963 no impedimento da posse de João Goulart como Presidente, já que era o vice do renunciante Jânio Quadros.

O Partido Trabalhista Brasileiro amparava os comunistas, os socialistas, as ligas camponesas, os trabalhadores, os cristãos progressistas etc. Sua atuação se dava no sentido de mediar o capital com os direitos trabalhistas, tanto que foi com Getúlio que a revolução industrial efetivamente aconteceu no Brasil com afirmação sindical e pressões pelas conquistas dos trabalhadores.

Os dois partidos se tornaram celeiros de grandes personagens, caudilhos e pessoas sérias no debate dos interesses de classes e do Brasil. Os debates em alto nível entre eles geravam interesse, politização e educação popular.

Parece que experimentamos retrocesso na qualidade do debate político no Brasil. Há uma mediocridade assustadora nos confrontos dos defensores de interesses antagônicos no atual momento brasileiro.

O que mais funciona, por falta de argumentos, de estudos e de cultura política, é a acusação barata, ofensas e falta de respeito a todos e a tudo.

Do lado da oposição nunca se viu tanta miséria intelectual e falta de conteúdo. Tenho a impressão de que cachaça, maconha e cocaína invadiram os cérebros de certos “lideres” da oposição. Esse pessoal não fala coisa com coisa, como diz meu povo aqui da Vila Dom Fernando II. Até o príncipe da Sorbonne, o farol de Alexandria, é de uma miséria de propósitos, lamentável e medíocre.

O “seu” Aécio disse após o segundo turno, quando perdeu de rebenque curto da Presidenta Dilma, ainda que auxiliado pelo poderio da mídia através de TVs, rádios, jornais, revistas, de delegados da Polícia Federal e mais juízes que extraíram trechos cuidadosamente fragmentados dos depoimentos de corruptos, bandidos e criminosos para prejudicar as eleições a seu favor, que seria líder implacável da oposição.

Mas o que aconteceu? O tal líder implacável virou um bebê mimado, chorão, que não sabe se quer que o segundo turno acabou e que ele perdeu.

Após apurados os resultados que deu à Presidenta Dilma o direito de governar pela segunda vez o chorão compareceu ao Senado acompanhado de madames e filhos de papai, todos igualmente chorões, pedindo o impeachment da Presidenta legitimamente eleita.

A partir daí o que faz o chorão? Omite-se perante uma turma de comadres raivosas que vão às ruas molestar a democracia e ofender os eleitos do povo. Comanda uma oposição comadresca, irresponsável, impatriótica e fútil, totalmente de mãos dadas com os mentirosos, criminosos e desviadores dos bens públicos para suas contas particulares no exterior, em prejuízo do povo a quem tanto querem massacrar retirando seus direitos e dignidade.

Como pode um líder implacável de oposição ser tão medíocre ao ponto de se assemelhar ao macaco que não vê e tem raiva visceral de quem vê o seu rabo preso ao crime? Acusa o governo de corrupção mas desvia dinheiro público para a construção de aeroporto em terras familiares e para rádios, jornais e TVs de sua família. Acusa os outros de aparelhar o governo e esconde que fez pior em Minas Gerais quando governador, eleito graças ao amordaçamento da mídia daquele Estado, ao encher os principais postos com parentes e amigos, cujos processos judiciais correm e provarão a alta medida de corrupção.

O fato é que o “seu” Aécio é pobre de espírito, medíocre intelectualmente e paupérrimo eticamente.

O que se assiste no País é um lamentável festival de criancice, cujo espetáculo é promovido por comadres que não têm ideias, contribuições, honradez, propostas e respeito a oferecer ao Brasil.

Os chorões sapateiam por qualquer bobagem e ameaçam correr à justiça, como filhotes mimados a dedar à mãe os irmãos que estudam, que colaboram, mesmo que cometam erros, porque são humanos e se perdem.

Olhar para “seu” Aécio e sua turma de mimados e comadres entristece e enoja. Eles, aqueles pobres infelizes, não têm o menor interesse pelo Brasil e pelo nosso povo, apesar de nossas preocupações e angústias com a montagem do governo, com o futuro do Brasil e com sua missão no mundo.

A última do “seu” Aécio, o bebezão chorão, “líder” da enojação implacável, de que perdeu para uma organização criminosa me ofende profundamente. O infeliz bebezão, líder implacável dos chorões, pobre de capacidade de debater o Brasil, de colaborar com sua construção, de criticar para ajudar, não sabe que o PT sozinho não elege Presidente. Este partido tem cerca de hum milhão de filiados e nem todos votam em seus candidatos. O líder implacável da enojação não sabe que quem reelegeu a Presidenta Dilma foi o povo brasileiro, que não o aceitou por tomar conhecimento de quem ele é, ele sim, um criminoso, até por ser calunioso, machista e preconceituoso.

Sinceramente, hoje à tarde consultarei um advogado para analisar medida processual contra a calúnia que sofri por votar na Presidenta Dilma. Eu não sou criminoso nem pertenço a nenhuma organização criminosa. Nunca ninguém me viu pilotar carro com carteira de motorista vencida nem bêbado. Nunca ninguém soube de helicóptero com cocaína de minha propriedade.

O Brasil merece respeito. Nosso povo merece respeito e patriotismo. Nossos trabalhadores precisam de quem os defenda e com eles lutem e não de líderes de calúnias e de choros infantis. Gostamos de acarinhar nossas crianças quando choram, ou quando nossos doentes se fragilizam, mas líderes da enojação quando choram nos causam asco.

Abraços críticos e fraternos na luta pela justiça e pela paz sócias.

Dom Orvandil: bispo cabano, farrapo e republicano, pronto para criticar, mas disposto a defender a honra.


Clique aqui e saiba como ajudar

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido