Magazine do Xeque-Mate

sábado, 16 de novembro de 2013

Henrique Pizzolato... Um Xeque-Mate inesperado em Joaquim Barbosa!

Xeque - Marcelo Bancalero

Além da questão da segurança de Pizzolato como já disse aqui, e a questão de se ter o direito a ampla defesa que lhe fora negado neste país... 
Sua fuga para Itália, além de acabar com os planos de Joaquim Barbosa e sua pretensão para as eleições de 2014... É que coloca a todos os golpistas por trás da farsa  em alvoroço!

Comoo se viu, a esperança de que  nos infringentes os nossos companheiros Dirceu, Genuíno, João Paulo e Delúbio, não terão chances alguma, pois Barroso já mostrou sua cara! E somente com os dois votos novos à favor é que se poderia ter a chance de se livrar de algumas penas!

Assim, todas as esperanças agora se voltam para que Pizzolato prove sua inocência na Itália, e isso traga alguma repercussão para o julgamento aqui!
Desde o início a chance de limpar essa mancha da história do PT estava em Pizzolato...
E continua agora sobre ele!

Graças a caso de Cesare Battisti, quando o Brasil resolveu conceder asilo  e mantê-lo no país... É certo que a Itália pagará na mesma moeda!

Leia os artigos base, e assista a um vídeo interessante com Alexandre do Megacidadania, ganhando Ibope da Globo, rsrs a mesma que ele ajudou a lacrar no RJ!





Caso Battisti torna mais difícil extradição de Pizzolato

Agência Estado

O Brasil teria que contar com muita boa vontade do governo italiano para conseguir a extradição do ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato. Depois de conceder asilo e manter no Brasil Cesare Battisti, acusado de terrorismo e de ser responsável pela morte de quatro pessoas, o governo brasileiro criou um contencioso com a Itália que até hoje não foi digerido.
Em 2009, o Supremo Tribunal Federal autorizou a extradição pedida pela Itália, mas a decisão do então ministro da Justiça, Tarso Genro - corroborada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva - foi de não entregar Battisti e dar-lhe asilo político. A resposta brasileira foi questionada pela Itália, mas em 2011 o STF definiu que a decisão final sobre a extradição era do presidente e o guerrilheiro ficou no País.
A decisão do governo Lula abriu uma enorme crise com a Itália, que chegou ameaçar ir à Corte Internacional de Haia contra o Brasil. Os ânimos se acalmaram depois de um intenso trabalho diplomático do Itamaraty, mas não a ponto de haver qualquer boa vontade italiana em uma extradição, especialmente de um cidadão italiano.
Brasil e Itália não têm tratados de extradição de seus próprios cidadãos. Nenhum dos dois países extradita seus nacionais para cumprir penas em outros países.(Lisandra Paraguassu)

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido