Magazine do Xeque-Mate

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Celso de Mello fez defesa enfática dos embargos infringentes, e Lewandowski já avisou se ele mellar, vai expor a contradição

Xeque - Marcelo Bancalero

Não acredito em mudanças nos embargos infringentes, a não ser que os advogados sejam inteligentes, parem de barganhar por redução de pena, e utilizem os documentos dos embargos de Henrique Pizzolato para pedir a anulação deste MENTIRÃO.

Mas, se tivermos de chegar a isso, que ao menos o ministro Celso de Mello tenha hombridade de não fugir ao que já defendeu entusiasticamente em plenário.
E Lewandowski que vem tentando sanar seus próprios erros, já avisou...
Se Mello mellar, vai expor a contradição!
Assista ao vídeo e leia o artigo;




Você deveria ler também;
STF colocado em xeque...
Ode aos ministros do STF...

LEWANDOWSKI VAI EXPOR CONTRADIÇÃO DE MELLO

Em votação sobre embargos infringentes, que pode livrar condenados da AP 470 que tiveram ao menos quatro votos a seu favor, ministro do STF deve ler em plenário trechos em que Celso de Mello defendeu a possibilidade na abertura do julgamento. Decano agora sinaliza mudança de posição
2 DE SETEMBRO DE 2013 ÀS 07:14
247 - O julgamento da Ação Penal 470, deverá colocar em pauta nesta semana a discussão sobre os chamados embargos infringentes – aqueles que dão direito aos réus uma nova oportunidade de defesa, quando contam com, pelo menos, quatro votos. É este o caso, por exemplo, do ex-ministro José Dirceu e dos deputados José Genoino (PT-SP) e João Paulo Cunha (PT-SP) na condenação por formação de quadrilha.
O presidente da Corte, Joaquim Barbosa, defenderá a tese de que os embargos infringentes não existem mais, embora ele próprio tenha decidido de forma diferente em relação a outros réus. Será seguido também por Gilmar Mendes, que pretende encerrar logo o chamado "julgamento do século". A maior incógnita é o comportamento do decano Celso de Mello (Leia aqui).
Para pressioná-lo a votar a favor da medida, Ricardo Lewandowski vai apresentar no plenário uma contradição de Mello. Leia na nota de Vera Magalhães, do Painel, da Folha:
Assim está escrito
O ministro Ricardo Lewandowski deve ler em plenário trechos do voto em que Celso de Mello defendeu a possibilidade de embargos infringentes no mensalão. Na abertura do julgamento, o decano do STF sustentou que esse tipo de recurso garantiria novo grau de jurisdição a condenados que tiveram ao menos quatro votos a seu favor. Seria uma forma de expor a contradição em que Mello -o último a votar e provável fiel da balança- incorrerá caso decida não receber os recursos.

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

SHARE THIS

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido