Magazine do Xeque-Mate

sábado, 15 de dezembro de 2012

Podem debater sobre os ROYALTIES DO PETRÓLEO, mas não esqueçam-se de unidos defender a DEMOCRACIA, JUSTIÇA e nossa CONSTITUIÇÃO

Xeque - Marcelo Bancalero

Em tempos que a nação precisa estar unida para impedir àqueles que colocam em risco nossa democracia e nossa Constituição, existem  algumas questões que acabam distraindo os brasileiros de coisas que acontecem em nosso país.
Como eu acredito que esta questão dos royalties acaba desunindo o povo, logo agora que ele precisa estar unido para proteger nossa justiça, nosso país e o ex-presidente Lula que vem sofrendo ataques de golpistas, procuro não me  intrometer. 
Depois , Dilma tinha olhado para a nação como um todo, e assertivamente deu um veto apenas em um ponto crucial na questão, assim, atendia a ambas as partes.
Mas como a "ordem" é a desordem...
Querem levar a questão ao STF...
Que sabemos  estar passando por uma "joaquinite" aguda, que faz com que ele julgue à partir de ilações.
Assim, reproduzo aqui um texto que recebi no email, e que achei muito coerente. Muito difícil questionar o autor.

E não esqueçam!

Tenham suas opiniões contrárias  sobre estas coisas, mas  unam-se quando o que está em jogo é nosso país!




ABSOLUTAMENTE VERDADEIRO !!!

"RESPOSTA DE UM MINEIRO AO PEDIDO DE CARIOCAS NO "VETA, DILMA", SOBRE OS ROYALTIES DO PETRÓLEO.”

Minas Gerais carregou o Brasil e a Europa nas costas durante 150 anos, nos ciclos do ouro e diamante! Ficaram para os mineiros os buracos e a degradação ambiental! Depois veio o ciclo do minério de ferro, até hoje principal item da pauta de exportações brasileiras, que rendeu aoRio de Janeiro uma das maiores indústrias siderúrgicas do Brasil, a CSN, e a sede da VALE. Curioso é que o Rio de Janeiro não produz um único grama de minério de ferro, mas recebeu a siderúrgica rendendo impostos e gerando empregos e a sede da mineradorarecebendo royalties de exploração de minério. Mais uma vez Minas Gerais carregando o Brasil nas costas e, de vinte anos para cá, ajudada pelo Pará em razão das reservas de minério de ferro descobertas nesse Estado. Outra vez ficam para os mineiros e paraenses os buracos e a devastação ambiental. Isso sem falar da água; quem estudou geografia sabe que Minas Gerais é a "caixa d'água do Brasil", aqui nascem praticamente todos os rios responsáveis pela geração de energia hidráulica e, embora a usina de FURNAS seja em MG, a sede é no Rio. Me causa estranheza essaposição de alguns cariocas/fluminenses, pois toda riqueza do subsolo, inclusive marítimo, pertence à UNIÃO. Ao contrário do ouro, do diamante e do minério de ferro que estão sob o território mineiro, as jazidas do pré-sal estão a 400 quilômetros do litoral do Rio do Janeiro enenhum Estado Brasileiro, inclusive o RJ, tem recursos aplicados na pesquisa, exploração e refino de petróleo, pois todo dinheiro é da UNIÃO que é a principal acionista da PETROBRAS. Acho piada de mau gosto quando esses políticos fluminenses falam em "Estados produtores de petróleo" sabendo dessas características da exploração do petróleo e dos eternos benefícios que o RJ recebe, tais como jogos panamericanos, olimpíadas etc. Acho um absurdo ver crianças de outras regiões mais pobres doBrasilestudando em salas de aula sem luz, sentadas duas ou três numa mesma cadeira, quando há cadeira, enquanto que a prefeitura de Macaé/RJ gasta, torra, esbanja, joga fora dinheiro pintando de cores berrantes passeios públicos!Proponho que todos brasileiros dos outros Estados façam o protesto SANCIONA, DILMA e mandem e-mails para seus deputados e senadores para acompanhar de perto essa questão do pré-sal. É como disse certa vez um compositor, cujo nome me esqueci, "o Rio de Janeiro é um Estado de frente para o mar e de costas para o Brasil". Sérgio Cabral, vá te catar! SANCIONA, DILMA.

O destino dos ROYALTIES DO PETRÓLEO é muito importante, mas  não podemos deixar que isso venha nos desunir na defesa da DEMOCRACIA, JUSTIÇA e nossa CONSTITUIÇÃO


License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

SHARE THIS

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido