Magazine do Xeque-Mate

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

WikiLeaks Press Release: Comissão Europeia quer permitir o bloqueio do WikiLeaks pelos EUA hard-direito Lieberman / King - Compartilhem! Amanhã podemos ser nós!!


Xeque - Marcelo  Bancalero

Cuidado amanhã  pode ser você blogueiro que  divulga verdades  aqui no Brasil.
Já soubemos que estes mesmo que perseguem  Assange, tinha contatos com a cúpula de bandidos  políticos aqui.
A liberdade não pode ser retirada de ninguém com falsas denuncias!
O mesmo que fizeram com Assange, criando uma falsa denúncia para  incriminá-lo, fizeram aqui com os  comp@as  na  AP 470.
Eles não suportam a liberdade que a internet nos oferece para denunciar.

Eu apoio também!


Abaixo tradução feita pelo Google Tradutor da mensagem do Wikileakis
Terça-feira 27 de novembro de 1300 GMT

Documentos da Comissão Europeia divulgado hoje pelo WikiLeaks mostram que os políticos de extrema-direita norte-americanos foram diretamente atrás do bloqueio bancário extrajudicial contra WikiLeaks. Nos documentos fortemente redigidas, MasterCard Europa admite que o senador Joseph Lieberman e deputado Peter T. King ambos "tinham conversas" com a MasterCard nos Estados Unidos. Lieberman, o então-presidente da Inteligência do Senado, vangloriou-se de instigar o corte da Amazon de serviço ao WikiLeaks - uma ação condenada pelo Comité do Conselho da Europa de Ministros de 7 de dezembro de 2011.

O senador Lieberman tentou introduzir a Lei SHIELD no Senado e defendeu para processar o New York Times para espionagem em conexão com lançamentos WikiLeaks. Rep. Peter King, presidente do Comitê de Segurança Interna, tentou designar formalmente o WikiLeaks como uma organização terrorista estrangeira, têm seu pessoal listado como 'combatentes inimigos', e tem WikiLeaks colocar em uma lista negra do Tesouro dos EUA. Em 13 de Janeiro de 2011, o Tesouro dos EUA anunciou que não iria fazê-lo porque não havia nenhuma evidência de que o WikiLeaks deve ser de tal lista. Embora Lieberman e King foram bem sucedidas nestes métodos de corte legalmente WikiLeaks a partir de sua base de doadores popular, eles foram bem sucedidos em fazê-lo extra-legalmente através de Visa e MasterCard, que, juntos, detêm o monopólio de 97 por cento do mercado de pagamentos com cartões da UE.

VISA Europa está registada em Londres e é propriedade de um consórcio de bancos europeus. MasterCard Europa está registrado na Bélgica e tem a propriedade semelhante, mas os documentos da Comissão Europeia mostram que o controle da VISA Europa ea Europa MasterCard é uma ficção. Os documentos revelam que as instruções para as operações do WikiLeaks bloqueio "na Europa veio diretamente da VISA e MasterCard nos Estados Unidos. Propriedade normalmente implica controle, mas VISA e MasterCard Europe são essencialmente controladas por contratos confidenciais com os seus homólogos dos Estados Unidos, uma estrutura oculta organizacional que a Comissão chama de uma "associação de empresas".

Na terça-feira, 19 de novembro, 2012, o Parlamento Europeu deu um passo importante no sentido de salvaguardar a soberania econômica de todos os europeus. No artigo 32 º da sua resolução, o Parlamento Europeu manifestou a vontade de que a Comissão deveria impedir a recusa arbitrária de pagamentos por parte das empresas de cartão de crédito, o que estrangula economicamente empresas e organizações, nomeadamente as nossas. A resolução é um passo importante para colocar um fim ao bloqueio Lieberman / King, que acabou com 95 por cento das receitas do WikiLeaks. O bloqueio Lieberman / King tem sido diretamente condenado por, entre outros, o Relator Especial da ONU para a liberdade de expressão e de Nova York Conselho Editorial Times. O bloqueio é uma violação directa do direito artigo 19 para receber e transmitir informações e ameaça todos financiados por doadores organizações e da liberdade de imprensa.

Ele vem como uma surpresa, então, que a Comissão Europeia está a tomar o ponto de vista contrário na sua decisão preliminar, de não abrir uma investigação formal sobre VISA, MasterCard e violações AmEx contra DataCell, a empresa que recolheu doações para o projeto WikiLeaks até a imposição do bloqueio, em 2010. A decisão da Comissão de 16 páginas preliminar foi anunciada após 15 meses de deliberações. O tempo de espera normal é de quatro meses. Ontem, DataCell e WikiLeaks apresentou detalhados contra-argumentos para a decisão preliminar da Comissão.

Através dos documentos vazados aprendemos que VISA e MasterCard têm usado uma declaração falsa pelo primeiro-ministro australiano, Julia Gillard, para enganar a Comissão Europeia. A declaração do primeiro-ministro, que mais tarde ela alegou foi feita em sua "capacidade privado", foi a de que a publicação WikiLeaks de telegramas diplomáticos foi "ilegal". Esta foi declarado falso por uma investigação posterior da Polícia Federal Australiana, que declarou que o WikiLeaks não tivesse quebrado alguma lei australiana. No início deste ano, o Senado australiano aprovou uma resolução exigindo a retratação de declaração falsa do primeiro-ministro.

Os documentos vazados revelam postura política da MasterCard para a exposição dos crimes e horrores de campanhas militares: "É evidente que qualquer afiliação com uma organização causando danos para os interesses nacionais dos vários países envolvidos nas guerras no Afeganistão e no Iraque ... vontade ser extremamente prejudicial para a percepção pública da MasterCard ".

Julian Assange disse:
> Não há soberania sem soberania econômica. É preocupante que a extrema-direita elementos nos Estados Unidos foram capazes de pressionar VISA e MasterCard, que juntos detêm o monopólio sobre o mercado europeu, em introduzir um bloqueio que o Tesouro dos EUA rejeitou correctamente. Estes elementos irresponsáveis ​​estão interferindo diretamente nas liberdades políticas e económicas dos consumidores da UE e estão estabelecendo um precedente para a censura política dos meios de comunicação do mundo.

WikiLeaks vai continuar a lutar contra o bloqueio, apesar dos seus recursos limitados, porque ele está lutando por sua sobrevivência. Já houve vitórias. Em junho de 2012 WikiLeaks ganhou a sua primeira vitória judicial na Islândia contra o bloqueio Lieberman-Rei. WikiLeaks no mês passado abriu uma frente de batalha novo depósito, juntamente com seu parceiro DataCell, um processo contra a Caixa S / A (VISA Dinamarca).

NOTA

O movimento no Parlamento e no resto da Europa é o de apoiar os direitos WikiLeaks publicação. O alemão fundação Wau Holland Stiftung (PMS), que arrecadou doações para o WikiLeaks através do PayPal tiveram suas doações conta de arbitrariamente desligado. O status de isenção fiscal da Fundação foi desafiado, assim, como resultado de interferência política que foi exposto este mês na revista Der Spiegel ("Transparência Tributação"). Ontem, WHS anunciou que, depois de quase dois anos de negociações com as autoridades fiscais alemãs, sua isenção de impostos (status de caridade) foi reintegrado. Cidadãos de todos os Estados Membros da UE vão agora ser capaz de doar para operações WikiLeaks através WHS e deduzir a doação no imposto de renda.

* Informações adicionais *:
Relator Especial da ONU para o Direito à Liberdade de Opinião e Expressão: http://www.oas.org/en/iachr/expression/showarticle.asp?artID=829&lID=1
Conselho da Europa - Declaração sobre prestadores de serviços on-line: https://wcd.coe.int/ViewDoc.jsp?id=1883671&Site=CM
O Comentário Guardian é gratuito (23 Novembro de 2012) por Glenn Greewald: http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2012/nov/23/anonymous-trial-wikileaks-internet-freedom
Vídeo: EUA exige para assassinar Assange - http://youtube.com/watch?v=ZuQW0US2sJw


 EUA exige para assassinar Assange




 
8160 


* Citação de inscrições Visa e MasterCard à Comissão Europeia *

Resposta da Visa para o Banco Central Europeu:

> Como você, sem dúvida, estar ciente, em algumas jurisdições, várias partes interessadas têm questionado se o WikiLeaks é, em relação a parte do material que publica, cometer atos criminosos. Regulamentos operacionais proibir o uso do sistema de Visa para fins ilegais ou na jurisdição do comerciante (neste caso, a Islândia) ou a jurisdição do titular do cartão (que pode ser qualquer lugar do mundo). É possível que as atividades que são permitidas em uma jurisdição pode ser ilegal em outros. Assim, a aplicação da posição relevante no âmbito dos regulamentos de funcionamento não depende necessariamente apenas na lei islandesa.

> Esta posição é adequada e proporcionada à luz da suposta conduta ilícita do WikiLeaks, que, entre outros materiais sensíveis, em 2010, publicados e se recusa a voltar grandes quantidades de material roubado de bancos de dados classificados militares dos EUA. Além disso, de acordo com a cobertura da imprensa recente, parece que o vazamento de informações sigilosas é contínua.

Argumentos da MasterCard para a Comissão Europeia:

> MasterCard não detém uma posição dominante colectiva com Visa ... Também vale a pena mencionar aqui que a MasterCard não constitui uma «estrutura essencial», e, portanto, não tem obrigação de fornecer os seus serviços a qualquer empresa em particular.

> É evidente que qualquer afiliação com uma organização, causando danos para os interesses nacionais dos vários países envolvidos nas guerras no Afeganistão e no Iraque, e, possivelmente, colocando vidas desnecessariamente em risco, será prejudicial para a percepção pública da MasterCard e, conseqüentemente, prejudicar a boa vontade da MasterCard ou de seus [comercial] Marcas.

> A título de exemplo, em 2004 MasterCard solicitou o adquirente holandês, em seguida, 'Interpay Nederlands BV' (Agora 'Paysquare') para suspender a prestação de serviços de aquisição para os comerciantes que operam sites que oferecem acesso a material pornográfico, incluindo mostrando atos sexuais com animais ("conteúdo bestialidade").

> ... Antes de tomar sua decisão, MasterCard Incorporated não possui contatos com as autoridades públicas, e, portanto, não agiu a pedido de quaisquer autoridades públicas.

> MasterCard Incorporated teve várias conversas com o FBI, o Tesouro dos EUA e do Departamento de Segurança Interna (DHS) sobre a possibilidade de tais ataques DDoS.

> MasterCard Incorporated teve conversas com funcionários do Congresso certa (ou seja, Lieberman Presidente e Presidente do Rei [Senado e Câmara Segurança Interna Cadeiras] pessoal). "


* Parlamento Europeu - no cartão, Internet e pagamentos móveis *

  Para um mercado europeu integrado para pagamentos Internet cartão, e móveis - 20 de novembro de 2012

O Parlamento Europeu votou que a Comissão introduzir legislação para determinar quando as empresas de cartão de crédito pode negar pagamentos:

> 32. Considera provável que haverá um número crescente de empresas europeias cujas actividades são efetivamente dependente de ser capaz de aceitar pagamentos por cartão; considera que é do interesse público para definir regras objetivas que descrevem as circunstâncias e procedimentos em que os sistemas de pagamento de cartões de Maio unilateralmente recusar a aceitação;

Na sua intervenção, o sueco Christian Engstrom deputado explicou:

> Outro exemplo é quando Visa, Mastercard e Paypal bloqueado pagamentos ao WikiLeaks. Não havia nenhuma base legal e [ele] deve ser visto como as três empresas ajudou o governo dos EUA para silenciar uma voz inconveniente. Não é aceitável que as empresas privadas têm o poder de [controle] liberdade de expressão.

Mensagem Original

WikiLeaks Press Release: European Commission enabling blockade of WikiLeaks by U.S. hard-right Lieberman/King




European Commission enabling blockade of WikiLeaks by U.S. hard-right Lieberman/King, contrary to European Parliament’s wishes

Tuesday 27th November, 1300 GMT


European Commission documents released today by WikiLeaks show that hard-right U.S. politicians were directly behind the extrajudicial banking blockade against WikiLeaks. In the heavily redacted documents, MasterCard Europe admits that Senator Joseph Lieberman and Congressman Peter T. King both "had conversations" with MasterCard in the United States. Lieberman, the then-chair of the Senate Intelligence Committee, boasted of instigating Amazon's cutting of service to WikiLeaks - an action condemned by the Council of Europe's Committee of Ministers on 7 December 2011.


Senator Lieberman tried to introduce the SHIELD Act into the Senate and advocated for prosecuting the New York Times for espionage in connection with WikiLeaks' releases. Rep. Peter King, chair of the House Homeland Security Committee, tried to formally designate WikiLeaks as a foreign terrorist organization, have its staff listed as 'enemy combatants', and have WikiLeaks put on a U.S. Treasury blacklist. On 13 January 2011 the U.S. Treasury announced it would not do so because there was no evidence that WikiLeaks should be on such a list. While Lieberman and King were unsuccessful in these methods of legally cutting WikiLeaks from its popular donor base, they were successful in doing so extra-legally via VISA and MasterCard, which together hold a monopoly of 97 per cent of the market of EU card payments.


VISA Europe is registered in London and is owned by a consortium of European banks. MasterCard Europe is registered in Belgium and has similar ownership, but the Commission papers show that European control of VISA Europe and MasterCard Europe is a fiction. The papers reveal that the instructions to blockade WikiLeaks' operations in Europe came directly from VISA and MasterCard in the United States. Ownership would normally imply control, but VISA and MasterCard Europe are essentially controlled by confidential contracts with their U.S. counterparts, a hidden organizational structure that the Commission calls an "association of undertakings".


On Tuesday, 19 November 2012, the European Parliament took an important step towards safeguarding the economic sovereignty of all Europeans. In Article 32 of its resolution, the European Parliament expressed the will that the Commission should prevent the arbitrary refusal of payments by credit card companies, which economically strangles businesses and organizations, notably ours. The resolution is an important step to putting an end to the Lieberman/King blockade, which has wiped out 95 per cent of WikiLeaks' revenues. The Lieberman/King blockade has been directly condemned by, among others, the UN Special Rapporteur of Freedom of Speech and the New York Times Editorial Board. The blockade is a direct infringement of the Article 19 right to receive and impart information, and threatens all donor-funded organizations and the freedom of the press.


It comes as a surprise, then, that the European Commission is taking the contrary view in its preliminary decision, of not opening a formal investigation into VISA, MasterCard and AmEx's violations against DataCell, the company that collected donations to the WikiLeaks project until the imposition of the blockade in 2010. The Commission's 16-page preliminary decision has been announced after 15 months of deliberations. The 'normal' waiting time is four months. Yesterday, DataCell and WikiLeaks submitted detailed counter-arguments to the Commission's preliminary decision.


Through the leaked documents we learn that VISA and MasterCard have used a false statement by the Australian Prime Minister, Julia Gillard, to mislead the European Commission. The Prime Minister's statement, which she later claimed was made in her "private capacity", was that the WikiLeaks publication of diplomatic cables was "illegal". This was declared to be false by a subsequent investigation by the Australian Federal Police, which declared that WikiLeaks had not broken any Australian law. Earlier this year, the Australian Senate passed a resolution demanding the retraction of the Prime Minister's false statement.


The leaked documents reveal MasterCard's political stance to our exposure of the crimes and horrors of military campaigns: "It is evident that any affiliation with an organisation causing damage to the national interests of several nations involved in the wars in Afghanistan and Iraq... will be extremely damaging for the public perception of MasterCard".


Julian Assange said: 
> There is no sovereignty without economic sovereignty. It is concerning that hard-right elements in the United States have been able to pressure VISA and MasterCard, who together hold monopoly over the European market, into introducing a blockade that the U.S. Treasury has rightly rejected. These unaccountable elements are directly interfering in the political and economic freedoms of EU consumers and are setting a precedent for political censorship of the world's media.



WikiLeaks will continue to fight the blockade, despite its limited resources, because it is fighting for its survival. Already there have been victories. In June 2012 WikiLeaks won its first court victory in Iceland against the Lieberman-King blockade. Last month WikiLeaks opened a new battle front by filing, together with its partner DataCell, a case against Teller A/S (VISA Denmark).


NOTE


The movement in Parliament and in the rest of Europe is to support WikiLeaks' publishing rights. The German foundation Wau Holland Stiftung (WHS), which collected donations for WikiLeaks via PayPal had their donations account arbitrarily shut down. The tax-exempt status of the Foundation was challenged as well, as a result of political interference which was exposed this month in Der Spiegel ("Taxing Transparency"). Yesterday, WHS announced that, after almost two years of negotiations with German tax authorities, its tax exemption (charitable status) has been reinstated. Citizens of all EU Member States will now be able to donate to WikiLeaks' operations through WHS and deduct the donation from their income tax.


*Additional information*:
UN Special Rapporteur on Right to Freedom of Opinion and Expression:http://www.oas.org/en/iachr/expression/showarticle.asp?artID=829&lID=1
Council of Europe - Declaration on online service providers:https://wcd.coe.int/ViewDoc.jsp?id=1883671&Site=CM
The Guardian Comment is Free (23 November 2012) by Glenn Greewald:http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2012/nov/23/anonymous-trial-wikileaks-internet-freedom
Video: U.S. demands to assassinate Assange -http://youtube.com/watch?v=ZuQW0US2sJw



*Quote from Visa and MasterCard Submissions to the European Commission*


Visa's response to the European Central Bank:


> As you will no doubt be aware, in some jurisdictions, various stakeholders have questioned whether WikiLeaks is, in respect of some of the material it publishes, committing criminal acts. Our Operating Regulations prohibit the use of the Visa system for illegal purposes either in the jurisdiction of the merchant (in this case Iceland) or the jurisdiction of the cardholder (which could be anywhere in the world). It is possible that activities that are permitted in one jurisdiction may be illegal in others. Accordingly, the application of the relevant position under the Operating Regulations does not necessarily depend solely on Icelandic law.


> This position is appropriate and proportionate in light of the alleged unlawful conduct of WikiLeaks, which, among other sensitive material, in 2010 published and refuses to return large amounts of material stolen from classified US military databases. Further, according to recent press coverage, it appears that the leaking of sensitive information is continuing.


MasterCard's arguments to the European Commission:


> MasterCard does not hold a collective dominant position with Visa... It is also worth mentioning here that MasterCard does not constitute an 'essential facility', and therefore is under no obligation to provide its services to any particular undertakings.


> It is evident that any affiliation with an organisation causing damage to the national interests of several nations involved in the wars in Afghanistan and Iraq, and possibly putting lives needlessly at risk, will be damaging for the public perception of MasterCard and consequently damage MasterCard's goodwill or its [trade]Marks.


> By way of example, in 2004 MasterCard requested the Dutch acquirer, then 'Interpay Nederlands B.V.' (now 'Paysquare') to suspend the provision of acquiring services to merchants operating websites offering access to pornographic material including showing sexual acts with animals ('bestiality content').


> ...before taking its decision, MasterCard Incorporated did not have any contacts with public authorities, and therefore did not act upon request from any public authorities.


> MasterCard Incorporated had several conversations with the FBI, US Treasury and the Department of Homeland Security (DHS) about the possibility of such DDoS attacks.


> MasterCard Incorporated had conversations with certain Congressional staff (i.e. Chairman Lieberman and Chairman King's [Senate and House Homeland Security Chairs] staff)."



*European Parliament - on Card, Internet and mobile payments*


  Towards an integrated European market for card, internet and mobile payments - 20 November 2012


The European Parliament voted that the Commission introduce legislation to determine when credit card companies can deny payments:


> 32. Considers it likely that there will be a growing number of European companies whose activities are effectively dependent on being able to accept payments by card; considers it to be in the public interest to define objective rules describing the circumstances and procedures under which card payment schemes may unilaterally refuse acceptance;


In his intervention, Swedish MEP Christian Engstrom explained:


> Another example is when Visa, Mastercard and Paypal blocked payments to WikiLeaks. There was no legal basis and [it] should be seen as the three companies helped the US government to silence an inconvenient voice. It is not acceptable that private corporations have the power of [controlling] free speech.

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido